Via Sindjor Goiás

Quando vislumbrei a possibilidade de me tornar jornalista, lá pelos idos de mil novecentos e bolinha, a imagem do profissional que vinha na minha mente era de um sujeito de barba por fazer, com um cigarro aceso dependurado no canto da boca, uma máquina de escrever Olivetti de teclas bem pesadas pela frente e um olhar esbugalhado, procurando o melhor lead pra impactar seus leitores. A notícia iria circular somente no dia seguinte, em um jornal impresso, formato standard, dobrado no meio em uma banca de revistas ou com dobras suficientes para torná-lo quase um canudo nas mãos hábeis de um jornaleiro, que o arremessaria sobre a grade de um assinante ou, ainda, o balançaria vigorosamente em um semáforo fechado, esgoelando: Extra! Extra!

Tenho a impressão que essas cenas dinossáuricas sequer passam pela cabeça dos atuais estudantes de jornalismo ou dos coleguinhas mais jovens. As novas tecnologias mudaram todo o processo, a começar pelo imediatismo da notícia. Já não se concebe mais a redação de uma notícia para ser lida daí a 8, dez horas. O que se escreve no noticiário on-line é… on-line. É pra ser consumido na hora, senão torna-se notícia velha!

E a questão não para por aí. Muitas profissões da cadeia de produção do jornalismo de antes sequer existem mais, ou foram radicalmente modificadas. O profissional que sobreviveu em redação de jornal ou revista hoje tem de fazer o papel de diversos trabalhadores de então: repórter de rua, setorista, revisor, diagramador, componedor, redator, paginador, fotoliteiro, chapista, ilustrador, entregador… Isso quando não é forçado pela empresa a se desdobrar ainda mais e ser o fotógrafo, cinegrafista e radialista.

Mas isso não significa que o jornalismo esteja em extinção. Muito pelo contrário, as novas tecnologias trazem ferramentas que condensam muitas dessas atividades e permitem ao profissional elaborar seu produto final com a rapidez e a qualidade que o mundo pós-moderno exige.

Alguém dirá que essas mesmas tecnologias permitem que a informação já não seja mais privilégio do jornalista e que, hoje, qualquer pessoa tem acesso aos meios de divulgação, aí incluídos os blogueiros, youtubers, influencers, vlogueiros e palpiteiros. Sentenciará, também, que as redes sociais se tornaram a principal fonte noticiosa pra muita gente.

Sem dúvida, trata-se de um fenômeno comunicacional que já vem sendo estudado nas academias, de onde surgirão teses e explicações mais convincentes do que pretende este artigo. Mas daí a se dizer que as redes sociais estão substituindo o jornalismo vai um abismo – permitam-me a quase redundância – colossal.

É certo que estamos vivenciando um momento de transição, que causa confusão na cabeça de muitas pessoas, que às vezes deixam-se levar pela fofoca postada pelo vizinho, pelo site mal-intencionado ou pela fake news descarada.

Mas, em algum momento vai ressurgir o verdadeiro jornalismo e a atividade vai finalmente se sedimentar nesse novo terreno, por enquanto arenoso, pois, afinal, as pessoas ainda anseiam pelos valores intrínsecos ao jornalismo e que somente nele podem ser buscados: a confiança, a imparcialidade, a credibilidade, a checagem em fonte primária e confiável, enfim, o compromisso com os fatos e a busca pela verdade.

Alexandre Alfaix de Assis é jornalista da Diretoria de Comunicação do Tribunal de Contas do Estado de Goiás. Graduado pela UFG, com especialização em Assessoria de Comunicação também pela UFG, é 1º secretário administrativo do Sindjor-GO.